Dostoiévski e a “cultura do cancelamento”.

Dostoiévski e a “cultura do cancelamento”.

Dostoiévski e a “cultura do cancelamento”.

Foi no início da invasão russa na Ucrância que inventaram o “cancelamento” de Dostoiévski.

O autor de “Crime e Castigo” seria tema de um festival de literatura e música na cidade de Gênova. Grande iniciativa, diga-se, mas o evento foi cancelado.

Com autoridade de asnos, tentaram atingir um dos maiores nomes da literatura universal.

Por causa da guerra e por ser russo tentaram cancelá-lo. Seria o mesmo que censurar Dante, vida e obra, por ser italiano, nos tempos de Mussolini e da Segunda Guerra Mundial.

Fruto de um humanismo doentio e da pobreza cultural, essa “cultura do cancelamento” não passa de uma revanche totalitária dos fracos, ignorantes, soberbos e pervertidos contra os gênios universais!

Embora possa ser considerado um eslavófilo, Dostoiévski, por exemplo, nunca colocou a pátria acima da religião. Nem o Estado ou a autoridade de um líder carismático acima da liberdade de contestá-los.

Pelo contrário, sobre o comunismo e toda a sua estrutura, denunciou-os em “Os Demônios”. Talvez seja o escritor que mais entenda desse assunto. Ele sabia que o corpo doutrinário não tinha consistência, por isso mesmo, entendeu ser o comunismo um movimento que tomaria as mais diversas formas no decorrer do tempo, levando à destruição os próprios seguidores e a sociedade.

Vigilância extrema, doutrinação constante, rebaixamento cultural, delação, censura, punições injustas e cruéis, bases do totalitarismo, descritas em “Os Demônios” fazem parte do esquema que, hoje, se estende a todo mundo, inclusive, às chamadas “democracias ocidentais”.

O maior antídoto contra isso quem nos deu foi o próprio Dostoiévski em “Memórias do Subsolo”, conforme havíamos escrito em texto anterior.*

Nos legou, além disso, em “Os Irmãos Karamázov”, o alerta sobre a massa que se deixa escravizar, pois não quer discernir o bem e o mal e prefere exclamar: “reduzi-nos à escravidão, contanto que nos alimenteis”. Poderíamos continuar a citar inúmeros trechos de suas obras-primas para justificar a imprescindibilidade dele para o mundo.

Gênios e santos devem ser os guias da nossa existência. Dostoiévski e outros gênios universais terão que sobreviver ao “cancelamento”, caso contrário, nem a humanidade sobreviverá.

P.S.:* Ray Bradbury e Dostoiévski. “Fahrenheit 451” e “Memórias do Subsolo” e o antídoto contra qualquer totalitarismo.

Agências reguladoras
Agências reguladoras

Leia também:

Dostoiévski, 200 anos. O aspecto religioso da obra e da vida de um gênio universal

O “Culto à celebridade” e a “Cultura do cancelamento”

Publicado no blog Guedes & Braga

Faça o download deste post inserindo seu e-mail abaixo

Não se preocupe, não fazemos spam.

About Post Author

Luís Fernando Pires Braga

Advogado.

Leave Comments

Importante: Este site faz uso de cookies para melhorar a sua experiência de navegação e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao utilizar nossos sites, você concorda com tal monitoramento. Criado por WP RGPD Pro