Dante contra os blasfemos

Dante contra os blasfemos

Dante contra os blasfemos

Para além dessas ofensas e polêmicas causadas por blasfemadores modernos, é uma pena que não haja gente disposta a defender a religião contra a blasfêmia por meio da poesia também.

Muitas respostas sisudas e processo, mas nada de colocá-los no seu devido lugar!

Recorrerei a um nome infalível para assim fazer justiça: Dante Alighieri!

Na Divina Comédia, no sétimo círculo do INFERNO, terceiro giro, podemos encontrá-los.

É evidente que os blasfemadores modernos não têm o mesmo gabarito dos antigos, mas os coloquemos lá por misericórdia.

Entre outros que se encontram em pé e continuamente andando, deitados num areão quente sob uma chuva de chispas de fogo estão os blasfemos e chegam Dante e Virgílio:

“E então chegamos onde se desparte do terceiro o segundo giro. Espreita-se daqui da Justiça a terrível arte.”

“O lugar era um árido areão semelhante à planura percorrida pelos pés, noutros tempos, de Catão.”

“Ó vingança de Deus, como temida deve ser por quem, lendo-me a reporte a essa cena me era oferecida!”

“De almas nuas havia vária coorte: todas choravam miseravelmente, e era aparente a sua diversa sorte”

“Supina ao chão jazia alguma gente, outra sentava toda reunida, caminhava outra continuamente.”

“Mais numerosa era essa turma erguida, menos a que jazia para o tormento, mas tinha à dor a língua irreprimida.”

“Sobre todo areal, em jorro lento choviam chispas de fogo dilatadas, como de neve em montanhas de vento.”

Para ler outro texto sobre Dante, clique aqui.

About Post Author

Luís Fernando Pires Braga

Advogado.

Recent Comments

Leave Comments

error

Enjoy this blog? Please spread the word :)

Importante: Este site faz uso de cookies para melhorar a sua experiência de navegação e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao utilizar nossos sites, você concorda com tal monitoramento. Criado por WP RGPD Pro