Democracia, a inviolabilidade da vida humana e o exemplo de Franz Jägerstätter

Democracia, a inviolabilidade da vida humana e o exemplo de Franz Jägerstätter

Democracia, a inviolabilidade da vida humana e o exemplo de Franz Jägerstätter

Concordamos com Churchill que dizia ser a “democracia o pior regime excetuado todos os outros.”

O problema é a absolutização dela como algo totalmente bom em si mesmo.

Às vezes, a história nos mostra isso, que o governo da maioria também pode ser injusto e cruel, pois pode trazer consigo os valores errados ou relativizar os valores certos.

Um valor como a inviolabilidade da vida humana deve ficar imune a qualquer vontade política oriunda da maioria.

Mesmo um plebiscito, um mecanismo extremamente democrático, instrumento da democracia direta, pode ocasionar injustiças e danos aos cidadãos.

Existem circunstâncias implacáveis das quais não se pode fugir e confrontam o ser humano, sua vida e seus valores.

Franz Jägerstätter, um camponês austríaco, por exemplo, foi o único que votou contra num plebiscito convocado por Hitler para anexar o povoado em que ele morava com a família.

Considerava o regime nazista “satânico”, mas toda população, democraticamente, não achava e votou pela anexação do território à Alemanha nazista.

Um instrumento democrático para legitimar uma situação e um cidadão contra.

Católico, sua consciência moral alicerçada nos valores cristãos, opôs-se ao desejo da maioria esmagadora e ao nazismo.

Sua objeção de consciência fez com que ele pagasse com a vida, pois também se recusara a servir o Exército nazista.

Hoje, legislações democráticas de países desenvolvidos e ricos abraçam a cultura da morte e não garantem a vida do ser humano nem no nascedouro, nem na fragilidade causada pela doença ou pela velhice.

Em nada perdem em crueldade para o nazismo.
São “piedosos” na morte, são politicamente corretos na eliminação.

Democracia sem valores ou com valores relativizados ou deturpados é totalitarismo da maioria e pode ser tão cruel como o nazismo.

O exemplo de Jägerstätter se faz presente. Nadou contra a corrente do mal.

Dele se pode dizer aquilo que escreveu Hemingway no “Velho e o mar” quando do desespero do pescador Santiago:”o homem pode ser destruído, mas jamais derrotado.”

Jägerstätter não foi derrotado. O exemplo é universal e toca a todos os homens de bem.

Sua vida, recentemente, virou filme pelo prestigiado diretor Terrence Malick e neste ano foi premiado no festival Cannes.

Antes, e muito mais importante, foi beatificado em 2007. Sua família estava presente na beatificação.

Veja também “Direito como poder moral”

Para ler outros textos do blog, clique aqui.

About Post Author

Luís Fernando Pires Braga

Advogado.

Recent Comments

  • ODILON SILVEIRA SANTOS ROCHA

    Extraordinário artigo.
    Que exemplo de caráter, moral e postura desse camponês!

    • guedesebraga

      Excepcional o exemplo de Franz Jägerstätter.

  • Maurício Almeida

    Excelente texto.

    “Um valor como a inviolabilidade da vida humana deve ficar imune a qualquer vontade política oriunda da maioria.”

    O respeito à dignidade humana é um princípio universal que deveria ser posto em prática como direito supremo das pessoas. Percebo em alguns países, ditos desenvolvidos, que isso virou letra morta. Literalmente.
    No Brasil não é muito diferente…os políticos daqui quando ganham o poder assumem uma postura arrogante, cínica…verdadeiros oportunistas da massa humana, desreitando sem limites o cumprimento de seu mandato.

    Vou assistir o filme da vida honrada de Franz Jägerstätter (dica valiosa)

Leave Comments

error

Enjoy this blog? Please spread the word :)

Importante: Este site faz uso de cookies para melhorar a sua experiência de navegação e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao utilizar nossos sites, você concorda com tal monitoramento. Criado por WP RGPD Pro