DOSTOYEVSKI CONTRA A ESQUERDA

DOSTOYEVSKI CONTRA A ESQUERDA

    DOSTOYEVSKI CONTRA A ESQUERDA 

Se existe um antídoto na literatura contra a esquerda e o fanatismo revolucionário, o livro é “Os Demônios” de Dostoyevski.

 Discorre o genial russo nessa obra, marcadamente política, sobre o ideário da esquerda, desde os métodos da revolução ao igualitarismo malfazejo.

Dostoyevski fez parte do círculo socialista e revolucionário Petrachevski. Foi preso, condenado à morte, mas teve sua pena comutada em prisão na Sibéria.

 Conheceu como poucos a alma do homem sob as ideias socialistas e, como ele dizia de si próprio, era um realista da alma humana.
Cristão ortodoxo convicto admitia ser o Cristo a Verdade e “caso o Cristo não fosse a Verdade, preferiria o Cristo à Verdade”, nas palavras do próprio escritor.

 A descrição da manada de porcos possuída por demônios, a se precipitar no abismo, como traz a Bíblia, é evocada no início do livro como uma metáfora para quem segue o ideal revolucionário, tendendo à destruição de si próprio e de todos os demais seguidores, num coletivismo suicida implacável.

 O rebaixamento cultural como arma de degradação de valores da sociedade, a igualdade como uma ideia fixa e endeusada, a mistificação de um líder carismático encontra-se profetizada e denunciada neste livro antes que os grandes totalitarismos do século XX se concretizassem e que hoje retornam, nas sombras, ao nosso tempo. Com a palavra, Dostoyevski: “Cada um pertence a todos, e todos a cada a cada um. Todos são escravos e iguais na escravidão.

 Nos casos extremos recorre-se à calúnia e ao assassinato, mas o principal é a igualdade.

 A primeira coisa que fazem é rebaixar o nível da educação, das ciências e dos talentos.

 O nível elevado das ciências e das aptidões só é acessível aos talentos superiores e os talentos superiores são dispensáveis!

 Os talentos superiores sempre foram déspotas, sempre trouxeram mais depravação que do que utilidade; eles serão expulsos ou executados.

 A um Cícero corta-se a língua; a um Copérnico furam-se os olhos, um Shaekspeare mata-se a pedradas-eis o Chigailovismo. Ah, ah, ah, está achando estranho? Sou a favor do chigailovismo” (Piotr Stiepánovich, personagem, discursando a favor de Chigailov, o inventor da igualdade, outro personagem, mas poderia ser Lênin, fazendo apologia de Marx).   

About Post Author

Luís Fernando Pires Braga

Advogado.

Leave Comments

error

Enjoy this blog? Please spread the word :)

Importante: Este site faz uso de cookies para melhorar a sua experiência de navegação e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao utilizar nossos sites, você concorda com tal monitoramento. Criado por WP RGPD Pro