“Homens ocos” de T.S. Eliot. A atualidade de uma obra-prima literária.

“Homens ocos” de T.S. Eliot. A atualidade de uma obra-prima literária.

“Nós somos homens ocos. Os homens empalhados. Uns nos outros amparados. Elmos cheios de nada. Ai de nós!”

Em tempos de totalitarismo digital, de fingimento de felicidade e sucesso em redes sociais, da mentira virtual em larga escala, da propaganda mentirosa de facilidades inexistentes, de razão sem fé, de fé sem razão, enfim, do vazio interior do ser humano transformado em fúria, som, imagem, luxúria e violência, nada melhor, do que, nesse início de Quaresma, nos lembrarmos dos “Homens ocos” de T.S. Eliot.

Dois reinos da morte!

Assim é o sentido profundo de uma das maiores obras de poesia do século XX.

Pode-se dizer que a inquietante peça literária de T.S. Eliot, a poesia “Os homens ocos” é cada vez mais atual e tem sua inspiração no Novo Testamento quando Nosso Senhor Jesus Cristo pergunta:”Quando vier o Filho do Homem encontrará fé na Terra?(Lucas, 18)”.

Trata o poema dos reinos da morte, ainda na vida e depois na danação, por ter o ser humano abandonado Deus.

A explicação disso quem nos deu foi o próprio Eliot quando se referiu a D.H. Lawrence no texto “Revelação” de 1937:

“A mente humana é perpetuamente compelida entre dois desejos, entre dois sonhos, cada um dos quais pode ser uma visão ou um pesadelo: a visão e o pesadelo do mundo material, e a visão e o pesadelo do mundo imaterial. Cada um pode ser, por sua vez, ou para mentes diferentes, um refúgio para o qual fugir, ou de um horror de que se busca escapar. Desejamos e tememos igualmente dormir e acordar; o dia traz a rendição da noite, e a noite traz a rendição do dia; vamos dormir como se fosse para morte, e acordamos para danação. Movemo-nos, fora da fé cristã, entre o terror do puramente irracional, e o horror do puramente racional.”

About Post Author

Luís Fernando Pires Braga

Advogado.

Recent Comments

  • ODILON SILVEIRA SANTOS ROCHA

    Excelente.
    Não lembro onde li que a evolução ( moral) consiste no domínio das sensações e desejos.

    • guedesebraga

      A questão da sensação e do desejo sem a modulação do bom senso, da fé com a razão foi uma construção que remonta ao melhor da antiguidade.

      Eliot bebeu na fonte de Dante, este, por sua vez, em Brabante, Guido Cavalcanti, Cino da Pistoia, Tomás de Aquino, mas no domínio das sensações e desejos Santo Agostinho foi determinante nessas questões.

      Encontraremos essa sabedoria nas “Confissões” e em “Civitas Dei” do grande Agostinho de Hipona.

      Obrigado. Abraços.

  • Nikole

    Thank you for sharing such a good blog!
    Best regards,
    Abildgaard Dencker

    Also visit my webpage :: Lidl Rock Hill

Leave Comments

error

Enjoy this blog? Please spread the word :)

Importante: Este site faz uso de cookies para melhorar a sua experiência de navegação e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao utilizar nossos sites, você concorda com tal monitoramento. Criado por WP RGPD Pro