Intervenção militar e Guerra Justa

Intervenção militar e Guerra Justa

 Intervenção militar e Guerra Justa

 A intervenção militar  para garantir a segurança de um povo e a ordem de uma nação não pode ser questionada a partir de  critérios que simplifiquem a eterna  questão filosófica do bem e do mal.

 Para se fazer a mencionada intervenção, deve-se aplicar os mesmos motivos para se declarar uma Guerra justa. A filosofia cristã medieval analisou essa questão de maneira profunda.

São Tomás de Aquino, na Summa Theologica, remontando aos ensinamentos de Santo Agostinho sistematizou a Guerra Justa em três elementos: 1)Autoridade: a ordem deve emanar daquele que é responsável pela segurança do Estado e tem a obrigação de defender a nação e as cidades; 2)A justa causa: ter causa legítima e necessária; 3)A intenção reta: a guerra tem que procurar evitar o mal e buscar o bem comum.

 Então, as consequências de uma guerra ou intervenção militar com essa motivação pode ser assim descrita: Mortes de inocentes e erros ocorrerão e isso é mau. Mortes, prisões de bandidos em confronto com as forças de segurança e acertos acontecerão e isso é legítimo.

Agora, se conseguirem devolver a cidade ao povo, trazendo paz e ordem então teremos Justiça.

 #GuerraJusta

#SãoTomásdeAquino

#intervençãofederal

#guedesebraga

About Post Author

Luís Fernando Pires Braga

Luís Fernando Pires Braga

Advogado.

Leave Comments

error

Enjoy this blog? Please spread the word :)

Importante: Este site faz uso de cookies para melhorar a sua experiência de navegação e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao utilizar nossos sites, você concorda com tal monitoramento. Criado por WP RGPD Pro