O problema da moral e seu ensino

O problema da moral e seu ensino

O problema da moral e seu ensino

O ensino da moral e, por conseguinte, das virtudes deve ser incentivado pela família, por educadores, filósofos e por qualquer governo.

É um tipo de discurso amplo e sério que alcança toda humanidade.

No livro “Cegueira moral”, por exemplo, Zygmunt Bauman e Leônidas Donskis deram profundas lições sobre esse problema na modernidade e de como essa “cegueira” torna as pessoas insensíveis ao sofrimento alheio, sendo isso uma marca da maldade dos nossos tempos.

Ensinar a moral, pois, tem o condão de ir ao cerne das questões mais importantes acerca do ser humano.
Não se pode acreditar, de “olhos fechados”, nas concepções relativistas ou ideológicas do conhecimento e comportamento humanos.

A distinção entre o bem e o mal deve ser ensinada. As virtudes têm que ser demonstradas e incentivadas.

O assunto é de extrema relevância. A finalidade existencial do homem está ligada ao problema moral.

Não estamos a falar de moralismo e de pregações fundamentalistas.

Falamos sobre o bem e mal objetivos que são percebidos pela razão.

C.S. Lewis em tudo colocava o aspecto moral. Consta em sua biografia:

“poderia ser política ou economia…independentemente do tema que era tratado, Lewis sempre o virava até o ponto em que se tornava um assunto ou problema moral. Se alguém não achasse que estava envolvido algo moral no assunto, Lewis lembrava que deveria estar.”

Realizar a perfeição da nossa natureza, eis o bem, o fim último da nossa natureza …

Nos imortais versos de Dante, temos essa noção:* “CONSIDERAI VOSSA PROCEDÊNCIA: NÃO FOSTES FEITOS PARA VIVER QUAIS BRUTOS, MAS PARA BUSCAR VIRTUDE E SAPIÊNCIA”

A questão é urgente e há mais um componente importante. Uma vez iniciando-se o ensino da moral, grandes mestres da literatura, filosofia e religião serão divulgados. O engrandecimento moral passa pelo crescimento cultural. Pois o contrário disso é verdade também: a pobreza cultural engendra a degradação moral.

Com relação ao incentivo do governo, o ensino da moral e o conhecimento das virtudes podem ser muito mais eficazes do que programas educacionais que combatam a doutrinação ideológica e política em sala de aula.

O conselho de Claude Allègre, Ministro da Educação da França no Governo de Lionel de Jospin, é exemplo a ser seguido:

“Não tenho medo de falar de moral. A palavra moral desapareceu do nosso vocabulário, como se fosse um nome que metesse medo. A moral cívica começa simplesmente pela moral. O bem e o mal, e o respeito pelo outro são valores que devem ser ensinados sem restrições.”

P.S.: *”Em mim puderam vencer o fervor que me impelia a conhecer o mundo, e dos homens o vício e o valor;

E me atirei ao mar aberto e fundo, com um só lenho e a pequena companhia que ainda era meu dever fido e jucundo

De costa a costa fui até a Espanha, até o Marrocos e a ilha dos Sardos, e outras que aquele mar à volta banha.

Éramos, ele e eu, velhos tardos ao chegarmos do angusto estreito à frente, onde Hércules ergueu os seus resguardos

Para que o homem mais além não tente.
Já os mares de Sevilha transcendidos, como os de Creta, à esquerda mão jazente:

Ó irmão, disse eu, que por cem mil, vencidos, perigos alcançastes o ocidente, a esta vigília dos nossos sentidos,

Tão breve, que nos é remanescente, não queirais recusar esta experiência, seguindo o Sol, de um mundo vão de gente.

“Considerai a vossa procedência:
Não fostes feitos para viver quais brutos, mas para buscar virtude sapiência”
(A Divina Comédia, Inferno, Canto XXVI. A explicação de Ulisses após pergunta de Virgílio)

Para mais textos sobre filosofia, clique aqui.

About Post Author

Luís Fernando Pires Braga

Advogado.

Recent Comments

Leave Comments

error

Enjoy this blog? Please spread the word :)

Importante: Este site faz uso de cookies para melhorar a sua experiência de navegação e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao utilizar nossos sites, você concorda com tal monitoramento. Criado por WP RGPD Pro