Tomás de Aquino, a Lei Natural e os exemplos de C.S Lewis

Tomás de Aquino, a Lei Natural e os exemplos de C.S Lewis

Tomás de Aquino, a Lei Natural e os exemplos de C.S Lewis

Tomás de Aquino define lei como uma ordenação da razão que visa o bem comum proclamada por aquele que dirige a comunidade.

A razão é a base. Diz Santo Tomás: “Uma lei que não se baseasse na razão seria antes iniquidade que lei”.

Distingue, então, quatro classes de lei: Lei em geral; Lei Eterna; Lei Natural e Lei positiva.

Para a nossa reflexão, daremos ênfase a Lei Natural.

A Lei Eterna é a Mente de Deus. Por ela, o mundo foi estruturado e ordenado.

A Lei Natural é a que o homem conhece racionalmente e que a consciência dá testemunho. Reflete no homem a lei eterna e possibilita o discernimento do bem e mal.

Na Summa contra Gentiles, ensinaTomás de Aquino:

“No homem e na humanidade esta lei eterna se manifesta por meio da natureza humana que traz em si uma inclinação natural para seu verdadeiro e último fim, pela qual ela participa da própria razão eterna. A esta participação da razão divina, pela qual conhecemos de modo imediato as normas últimas do agir da comunidade, se dá o nome de lei natural.

Esta lei natural outra coisa não é senão a soma das obrigações reconhecidas pela razão como sendo conformes à natureza. Tais são todos os princípios da moralidade, por exemplo, deve-se fazer o bem e evitar o mal. Esta é a lei suprema. Dela reflui o dever de autoconservação, de conservação da humanidade, da educação dos filhos. Da inclinação natural para a verdade decorre o dever de conhecermos a verdade, sobretudo a respeito de Deus, da inclinação natural para a vida; da inclinação natural para vida em sociedade deriva imediatamente a obrigação de não ofender o próximo etc”

Como bem disse Santo Tomás:

“…Esta lei natural outra coisa não é senão a soma das obrigações reconhecidas pela razão como sendo conformes à natureza. Tais são todos os princípios da moralidade…”

C.S. Lewis, no livro a “Abolição do homem”, coligiu diversos exemplos de povos e culturas que ilustram essa verdade da lei natural descrita por Santo Tomás de Aquino.

Alerta, no entanto, que “nem mesmo o consenso universal poderia persuadir aqueles que não percebem a sua racionalidade”.

Seguem alguns exemplos:

  1. A lei geral da caridade

“Não Matarás”(Judeu antigo. Êxodo 20:13)

“Não aterrorizeis os homens ou Deus vos aterrorizará.”
(Egípcio antigo. Preceitos de Ptahhetep)

“Em Násrond(=inferno) eu vi (…) assassinos(Nórdico antigo)

“Não calunieis”(Babilônio. Hino a Samas”).

“Não profiras uma palavra pela qual alguém possa ser ferido”(Hindu)

“Nunca faças aos outros o que não gostaria que fizessem contigo.”(Chinês antigo. Analectos de Confúcio)

A lei específica da caridade:

“É sobre o tronco que um cavalheiro deve trabalhar. Quando ele está firmemente assentado, o Caminho se alarga. E certamente o comportamento próprio com o pai e os irmãos mais velhos é o tronco da bondade. (Chinês antigo. Analectus)

“Ama tua esposa persistentemente. Alegra teu coração por toda vida.”(Egípcio antigo)

“Para o homem ajuizado, nada pode mudar os deveres de parentesco.”(Anglo-saxão. Beowulf)

“A afeição natural é algo correto e de acordo com a natureza”.(Grego. Epicteto)

“Parte de nós é exigida pela pátria, parte por nossos pais, parte por nossos amigos.”(Romano. Cícero)

Deveres em relação aos pais, aos mais velhos e aos ancestrais

“Teu pai é uma imagem do Senhor da Criação, tua mãe uma imagem da Terra. Pois vãs são as obras de piedade daquele que não os honra. Este é o primeiro dever.”(Hindu)

“Eu fui um cajado ao lado de meu pai(…)Obedeci inteiramente às suas ordens.”(Egípcio antigo. Confissão da alma do justo)

“Honra teu pai e tua mãe”(Judeu antigo.” Êxodo 20:12)

“Cuidar dos pais”(Grego. Lista dos deveres em Epicteto)

“Você os verá cuidando(…) dos homens idosos.”( Pele vermelha. Le jeune)

“Quando o devido respeito pelos mortos é observado no fim e mantido depois que eles estão já muito distantes, a força moral de um povo alcançou o seu ponto mais elevado.”(Chinês antigo. Analectos)

Deveres em relação às crianças e à posteridade

“As crianças, os idosos, os pobres e os doentes devem ser considerados os senhores da atmosfera”(Hindu)

“Deve-se grande reverência a uma criança”(Romano. Juvenal)

A lei da justiça

“Não roubai.”(Egípcio antigo. Confissão da alma do justo)

“Não furtarás”(Judeu antigo. Êx 20:15)

“Justiça é a intenção permanente e estável de prover a cada homem o que é seu direito.”(Romano. Justiniano. Instituições)

Justiça nos tribunais etc

“Aquele que não aceita suborno(…) agrada a Samas”(Babilônio)

“Eu não caluniei o escravo ao seu superior”(Egípcio. Confissão da alma do justo)

“Não darás falso testemunho contra teu próximo(Judeu antigo. Êx 20:16)

A lei da boa-fé e da veracidade

“Um sacrifício é apagado por uma mentira e o mérito de uma esmola por um ato fraudulento”(Hindu)

“Odiável como os portões de Hades é para mim o homem que diz uma coisa e esconde outra em seu coração”(Grego. Homero. Ilíada)

“O fundamento da justiça é a boa-fé”(Romano. Cícero).

Lei da misericórdia

“Aquele que intercede pelos fracos muito agrada a Samas.”(Babilônio)

“Eu dei pão ao que estava faminto, água ao que tinha sede, roupas ao que estava nu, levei ao outro lado do rio o que não tinha bote.”

“Você os verá cuidando de viúvas, órfãos e idosos, sem jamais repreendê-los.”(Pele-vermelha)

Lei da magnanimidade

“Há dois tipos de injustiça: o primeiro é o que se encontra naqueles que causaram algum dano, e o segundo naqueles que deixam de evitar danos a outros quando podem.”(Romano. Cícero)

“Louvai e imitai aquele homem para quem, conquanto seja agradável a vida, não é pesarosa a morte.”(Estóico. Sêneca.)

“Disse o Mestre: Amai aprender e, caso sejais atacados, estejais prontos para para morrer pelo Bom caminho.(chinês antigo. Analectos).

“A morte é preferível à escravidão e aos atos vis”(Romano. Cícero.)

“Digo-lhes verdadeiramente que se o grão de trigo não cair na terra e não morrer, continuará ele só. Mas se morrer, dará muito fruto. Aquele que ama sua vida, a perderá.”(Cristão. Jo 12:24)

Para mais artigos sobre Santo Tomás de Aquino, clique aqui.

About Post Author

Luís Fernando Pires Braga

Luís Fernando Pires Braga

Advogado.

Recent Comments

Leave Comments

error

Enjoy this blog? Please spread the word :)

Importante: Este site faz uso de cookies para melhorar a sua experiência de navegação e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao utilizar nossos sites, você concorda com tal monitoramento. Criado por WP RGPD Pro