A Face totalitária da democracia II

A Face totalitária da democracia II

A Face totalitária da democracia II

Toda democracia tem valores. Ninguém pode negar isso. Ela própria tornou-se um valor absoluto.

Quando dissemos que a democracia tem uma “Face totalitária”, o fizemos não para denegri-la e sugerir uma ditadura, mas, ao contrário, para defendê-la.

Resguardá-la dos manipuladores ou aproveitadores que a transformam em instrumento de censura, perseguição e violação de direitos humanos.

O remédio para consertar “uma espécie de democracia totalitária” é mais democracia, é a democracia realmente participativa.

No entanto, o que se vê na democracia hoje, de maneira ostensiva, é um governo do povo com representantes manipuladores que usam valores oriundos da modernidade ou da pós modernidade, da pós cristandade para formular legislação, decidir judicialmente e influenciar culturalmente. É curioso que esses valores hauridos nessas concepções acima sejam contrários à vida e à religião.

Os manipuladores democráticos absolutizam a democracia, ou usam aqueles “novos” valores para justificar qualquer medida tomada em nome dela.

A questão, como disse bem Rèmi Brague, é que além da legitimidade política que o povo confere à democracia, esta “evolui” para ser a única fonte ética, o único valor. Ganha status de “Imperador merovíngio”, como sugeria Eliot, para poder tudo e a tudo justificar.

Então, onde estão os outros valores que emanam da religião, da lei natural, da ética e que devem também alimentar um regime democrático?

Eles são enterrados ou não podem mais ser alegados para defender um direito, desenvolver e proteger a cultura.

Para exemplificar, em determinados países democráticos, quem agir contra ou alegar que o aborto é infenso à lei natural, contra a religião, contra a própria natureza da medicina pode ser preso ou censurado. E é tudo legal, legítimo e democrático.

Eis a face totalitária na prática:

Na Inglaterra, um juiz obrigou uma mulher a abortar; na França, o Supremo tribunal mandou matar de fome e sede o jovem bombeiro tetraplégico Vincent Lambert ao retirar seu suporte vital; Na Argentina, um médico foi condenado à prisão por ter salvo de um aborto mãe e filho; na Suécia, existe uma moção para permitir a necrofilia e o incesto; No Canadá, dois gêmeos se suicidaram por causa da ideologia de gênero, etc

Os casos se multiplicam.

Repita-se: é tudo legal, legítimo e democrático.
Com efeito, não precisamos jamais ser contrários à democracia, mas precisamos ser contrários a esse tipo de democracia que desvaloriza a vida humana e persegue os seus defensores.

Para ler outro texto sobre a face totalitária da democracia, clique aqui.

https://luizguedes.adv.br/artigos-cientificos-publicados/

About Post Author

Luís Fernando Pires Braga

Advogado.

Recent Comments

Leave Comments

error

Enjoy this blog? Please spread the word :)

Importante: Este site faz uso de cookies para melhorar a sua experiência de navegação e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao utilizar nossos sites, você concorda com tal monitoramento. Criado por WP RGPD Pro