A legislação de Smierdiàkov

A legislação de Smierdiàkov

A legislação de Smierdiàkov

Desde 2016, a Juventude Liberal da Suécia (LUF) ligada ao Partido Popular Liberal Sueco aprovou uma moção para promover, em seu país, a necrofilia e o incesto.

A líder da LUF, Cecília Johnson, alega, para tanto, que não gosta das leis morais.

Disse ela: “Não gosto das leis morais em geral”.

Ou seja, ao não gostar dessas leis e tentar garantir as práticas da necrofilia e do incesto, necessário se faz a mudança da legislação e uma transformação ou abolição da moral.

Para além da questão político/legal, existe o problema moral.

A primeira expressão da obrigação moral é o primeiro princípio:”o bem deve ser feito e o mal evitado”. É evidente por si mesmo.

Nesse caso, aos mortos, por exemplo, temos que dar um enterro digno, não desejá-los sexualmente.

Com relação ao incesto, fica evidente que o descontrole dos impulsos sexuais no seio familiar leva a destruição da família.

Para os defensores do incesto e da necrofilia, o que se nota é a impossibilidade da distinção do bem e do mal.

Já estão imersos num nada de valores e de moral, restando somente pleitear a liberdade ilimitada para autorizar a prática de qualquer ato que seja conveniente a um indivíduo ou grupo.

São quase como o personagem Stavroguine no livro “Os Demônios” de Dostoiévski.

Stavroguine confessa:

“Foi nesse momento enquanto tomava chá e conversava com meu grupo que, pela primeira vez na vida, constatei claramente que não compreendia e não sentia o bem, nem o mal; não somente eu perdera o sentimento de ambos, mas o bem e o mal, em si, não existem(o que me era agradabilíssimo). Não passavam de preconceitos; e decerto poderia me libertar de qualquer preconceito, mas, se atingisse essa liberdade, estaria perdido.”

É desse niilismo que nascem aquela moção e a vontade de aprovar uma lei que permita a necrofilia e o incesto.

Nem moral, nem Deus. Somente a vontade de poder, o egoísmo e a liberdade sem limites das pessoas.

Esse exemplo sueco é só um no meio de decisões judiciais(ativismo judicial que legisla também) e infindáveis legislações que se afastaram da ética, da religião, da racionalidade e do bom senso.

A legislação deles, do tudo é permitido, além de ser explicada por Stavroguine, pode muito bem ser representada por outro personagem de Dostoiévski, Smierdiàkov, nos “Irmãos Karamazov” que diz:

“Ainda mais porque tudo é permitido…pois se Deus definitivamente não existe, então não existe nenhuma virtude, e neste caso, ela é totalmente desnecessária.”

Para mais artigos do blog, clique aqui.

About Post Author

Luís Fernando Pires Braga

Luís Fernando Pires Braga

Advogado.

Recent Comments

Leave Comments

error

Enjoy this blog? Please spread the word :)

Importante: Este site faz uso de cookies para melhorar a sua experiência de navegação e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao utilizar nossos sites, você concorda com tal monitoramento. Criado por WP RGPD Pro