A pós-verdade e a simplicidade das crianças

A pós-verdade e a simplicidade das crianças

A pós-verdade e a simplicidade das crianças

            Estávamos tomando o café da manhã e minha filha de dez anos me fez uma pergunta, que apesar de direta, não é de simples resposta: “papai, o que pós-verdade?”. No momento não sabia responder e então fomos pesquisar na internet e encontramos várias definições para o termo referido. Então, respondi: “Pós-verdade, Luiza, pelo que vimos em vários textos, é quando os fatos objetivos pouco importam na apresentação de uma história”. Ela parou um pouco e respondeu: “Entendi, pós-verdade é uma nova forma de dizer mentira”.

            A resposta dela à questão pode não ter a complexidade dos estudos acadêmicos, porém tem a profundidade da simplicidade infantil. E, muitas vezes, senão na maioria, a simplicidade infantil enxerga coisas que o suposto refinamento intelectual dos adultos não enxerga. No final das contas, sem rodeios, ela foi ao cerne da questão.

            Em outro texto, falei sobre o fictício combate às fake news por grande parte da mídia tradicional. O assunto deste texto tem correlação com o daquele, pois, na denominada época da pós-verdade, o que menos importa para muitos (infelizmente) são os fatos objetivos, ou seja, a realidade tal como ela é, e jogos retóricos são utilizados para criar narrativas com o objetivo de convencer o ouvinte de determinado ponto, muitas vezes utilizando de apelos emocionais.

            Sempre foi importante para as pessoas aprender a verificar os fatos. E, em época da pós-verdade, ou da mentira, como Luiza prefere (eu também prefiro) chamar, essa importância é ainda maior.

            Verifique os fatos por você mesmo, pesquisando em diversas fontes. Não delegue tal atribuição a ninguém, muito menos às agências de checagem, pois, como qualquer agrupamento de pessoas, têm interesses próprios que podem não ser os mesmos dos seus, de saber quais são os fatos de verdade, servindo, muitas vezes, as mencionadas agências, apenas para ratificar narrativas.

Publicado no blog Guedes & Braga

Faça o download deste post inserindo seu e-mail abaixo

Não se preocupe, não fazemos spam.

About Post Author

Luiz Guedes da Luz Neto

Possui graduação em Direito pelo Centro Universitário de João Pessoa (2001). Mestre em Direito Econômico pela UFPB (2016). Aprovado no concurso de professor substituto do DCJ Santa Rita da UFPB (2018). Aprovado no Doutorado na Universidade do Minho/Portugal, na área de especialização: Ciências Jurídicas Públicas. Advogado. Como advogado, tem experiência nas seguintes áreas : direito empresarial, registro de marcas, direito administrativo, direito constitucional, direito econômico, direito civil e direito do trabalho. Com experiência e atuação junto aos tribunais superiores. Professor substituto das disciplinas Direito Administrativo I e II e Direito Agrário até outubro de 2018. Recebeu prêmio de Iniciação à Docência 2018 pela orientação no trabalho de seus monitores, promovido pela Pró-Reitoria de Graduação/UFPB. Doutorando em direito na UFPB.

Leave Comments

Importante: Este site faz uso de cookies para melhorar a sua experiência de navegação e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao utilizar nossos sites, você concorda com tal monitoramento. Criado por WP RGPD Pro