Poder e política. Um exemplo dantesco

Poder e política. Um exemplo dantesco

Poder e política. Um exemplo dantesco

Dissemos anteriormente, no texto “Dante e a filosofia política”, que este defendera a separação do poder temporal do poder espiritual.

Procurava, Dante, descanonizar o Estado e reguardar a Igreja da mundanidade e da contaminação política.

Para exercitar o poder, no entanto, é necessário a política e esta para alcançar o seu fim pode instrumentalizar a religião ou qualquer outro meio que possibilite o exercício do poder.

Ives Gandra da Silva Martins observou isso no livro “Uma breve teoria do poder”, dizendo:

“Não sem razão, pensadores como Carl Schmitt e Maquiavel desmascaram a política(vale também para a convivência humana, em geral) demonstrando, seu viés de fantasia filosófica e cinismo pragmático. Para os referidos autores, para eles, política se justifica, fundamentalmente, à luz de seu principal personagem, a partir, exclusivamente, da ambição pelo exercício do poder.”


Pois bem, “a ambição pelo exercício do poder” traz em em si a marca da traição política o que pode ser trágico e causar horror.

A história nos mostra diversos exemplos, um deles está contado na “Divina Comédia” e envolve política e religião. Um poderoso Conde e um Arcebispo.

No nono e último círculo do inferno onde são punidos os traidores, Dante e Virgílio encontram o Conde Ugolino della Gherardesca e o arcebispo Ruggieri Ubaldini, ambos da cidade de Pisa e ambos culpados por traição política.


Ugolino e seu neto, Nino Visconti, líderes dos partidos dos Guelfos, tomaram o poder em Pisa no ano de 1288.

Depois, Ugolino se une a Ruggieri, do partido Gibelino, e trai Visconti. Este é expulso de Pisa.

Com o partido Guelfo de Ugolino enfraquecido, o Arcebispo Ruggieri trai o Conde Ugolino e se volta contra ele, prendendo-o junto com dois filhos e dois netos numa torre.

Ruggieri, depois de certo tempo da prisão de Ugolino e família, ordena que se lacre a porta da prisão na torre e mata todos de fome.

A brutalidade do episódio que envolve um religioso e um nobre envolvidos em política e traição, na ambição desbragada pelo poder, teve um destino imaginado por Dante do qual só podemos lamentar e esperar daqueles que usam a política só em busca do poder, não para servir.

Da ambição pelo poder e da traição política, até a morte de fome, Dante concebeu uma visão infernal dos dois traidores.

A cena se desenvolve no nono círculo do inferno em que Ugolino se vinga de Ruggieri, comendo o crânio do arcebispo:

“A boca levantou do vil repasto
Aquela alma, limpando-a no cabelo do crânio que ela havia por trás já gasto.”

# Poder e política. um exemplo dantesco

Para ler o artigo sobre Dante e os blasfemos, clique aqui.

# Poder e política. um exemplo dantesco

About Post Author

Luís Fernando Pires Braga

Advogado.

Recent Comments

  • Luis Henrique P. Braga

    Parabéns por mais um belíssimo artigo.

    • guedesebraga

      Obrigado. Abraço.

  • Ana Ribeiro

    Como sempre um artigo que dá gosto ler. Parabéns! Aguardo já o próximo com impaciência.

    • guedesebraga

      Obrigado Ana Ribeiro. A sua manifestação se torna mais um incentivo para continuar as publicações.

  • O problema da moral e seu ensino - Guedes & Pires Braga Advocacia

    […] Para mais textos sobre filosofia, clique aqui. […]

Leave Comments

error

Enjoy this blog? Please spread the word :)

Importante: Este site faz uso de cookies para melhorar a sua experiência de navegação e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao utilizar nossos sites, você concorda com tal monitoramento. Criado por WP RGPD Pro